Tofu com abacaxi e molho picante de coco e lima

Apesar do nome exótico das pimentas usadas, não se assustem. São relativamente fáceis de encontrar nos hipermercados. A pimenta-rosa e a pimenta-de-sischuan até fazem parte de uma caixa de especiarias para gin, que se vende no lidl (custa €1.99, se não me engano). Foi a primeira vez que usei pimenta-de-sichuan e de certeza que não vai ser a última. É muito aromática e levemente picante, perfeita para dar um cheirinho exótico a qualquer receita.

Este prato tem mesmo um toque de exotismo e tropicalidade que até sabe a férias! A acidez da lima combina na perfeição com os sabores mais picantes da malagueta e das pimentas e com a doçura do coco. O molho é uma explosão de sabores e é, sem dúvida, o protagonista. Pode ser pode ser mais ou menos picante, dependendo da malagueta e de usarem ou não as sementes. O tofu é uma óptima base para o servir porque é suficientemente neutro para não lhe tirar o destaque.

IMG_4769

2 rodelas grossas de abacaxi

250g de tofu

1 dente de alho laminado

1/2 lima

1 colher de chá de óleo de coco

flor de sal q.b.

pimenta q.b. (usei mistura de 5 pimentas)

para o molho

1 chalota ou cebola pequena

malagueta

1 chávena de leite de coco (usei caseiro)

1 c. de sopa de óleo de coco

1 c. de chá de amido de milho (se usar leite de coco de lata, mais espesso, pode omitir)

1/2 c. de chá de pimenta-rosa

1/2 c. de chá de pimenta-da-jamaica

1c. de chá de pimenta-de-sichuan

2 folhas de lima Kafir

1 pitada de sal

1/2 lima

IMG_4752

  1. Comece por cortar o bloco de tofu em filetes.
  2. Tempere cada filete com flor de sal, alho, pimenta e sumo de lima. Deixe marinar no mínimo 30 minutos.
  3. Entretanto prepare o molho.
  4. Aqueça uma colher de sopa de óleo de coco numa frigideira e coloque as rodelas de abacaxi. Deixe dourar de ambos os lados.
  5. Retire o abacaxi da frigideira salpique com raspa de lima e reserve.
  6. Na mesma frigideira, disponha os filetes de tofu e deixe grelhar um minutos de cada lado.
  7. Sirva com o molho de coco e lima.

IMG_4770 IMG_4772

Para a preparação do molho:

  1. Pique a chalota e corte a malagueta em rodelas. Reserve.
  2. Num tacho pequeno, coloque as pimentas e as folhas de lima em lume brando e deixe aquecer, para soltarem o sabor.
  3. Junte o óleo de coco.
  4. Adicione a chalota e a malagueta e, mexendo, deixe cozinhar até a chalota ficar mole.
  5. Acrescente o leite de coco, o sumo de meia lima e o amido de milho.
  6. Tempere com uma pitada de sal.
  7. Deixe cozinhar, mexendo sempre com uma colher de pau, durante cerca de 5 minutos ou até o molho engrossar um pouco.
  8. Retire as folhas de lima e triture tudo com a varinha mágica ou num processador.
  9. Salpique com a raspa de meia lima.

IMG_4861   IMG_4765

FullSizeRender

risoto de espargos e tomate seco

Prometo que esta é a última receita de espargos este ano. Até porque entretanto a minha cozinha já se encheu de favas, ervilhas, couve-flor, espinafres… Parece a secção de legumes do supermercado!

Gosto muito de tomates secos e acho-os um ingrediente muito interessante e prático. Não têm a acidez e a frescura dos tomates frescos e por isso para mim são assim uma espécie de tomates de inverno. Infelizmente nem sempre os encontro e não são propriamente baratos. Este ano, quando chegar a altura vou tentar seca-los em casa no forno – ao sol já é pedir de mais! (mas também digo isto há anos, por isso não se fiem muito…)

Os que usei nesta receita são de compra e de pacote, completamente desidratados. Mas também podem usar dos que vêm em frasco, conservados em óleo ou azeite.

O risoto de espargos é daquelas coisas que eu adoro mas normalmente faço ou só com espargos ou juntado cogumelos. Nunca tinha experimentado esta combinação com tomate seco. Gostei bastante porque são sabores que contrastam e se equilibram.

IMG_2283

  • 200g de espargos
  • 7 tomates secos
  • 1 cebola pequena picada
  • 270g de arroz para risoto
  • 1 litro de água
  • 1 cubo de caldo de legumes
  • 1 c. de chá de levedura de cerveja (opcional)
  • 1 c. de sopa de margarina vegan
  • 1 fio de azeite
  • sal q.b.IMG_2300
  1. Comece por picar finamente a cebola e cortar os tomates em pedaços pequenos e os espargos em pedaços de cerca de 2 cm (corte as pontas mais duras e reserve-as.
  2. Aqueça um litro de água temperada com uma pitadinha de sal e ferva os espargos durante três minutos. Retire-os da água, passe imediatamente por água fria e reserve. Coloque os floretes de parte
  3. Da água onde cozeu os espargos, junte um cubo de caldo de legumes e as pontas duras dos espargos que tinha reservado, mantenha em lume muito brando.
  4. Aqueça um fio de azeite e junte a cebola e os tomates. Deixe cozinhar em lume brando, só até a cebola ficar transparente.
  5. Junte o arroz e envolva bem no azeite.
  6. Vá juntado conchas da água e deixe evaporar até acrescentar mais, mexendo frequentemente.
  7. Quando só tiver cerca de duas conchas de água, junte os espargos (sem os floretes) reservados. Envolva bem e termine a cozedura do arroz.
  8. Antes de servir, junte uma noz de margarina e a levedura de cerveja.
  9. Coloque os floretes dos espargos por cima do arroz, já no prato.

espargos

IMG_2294

Creme de espargos com ervilhas de vagem

As primeiras ervilhas de vagem do ano vieram parar a este creme de espargos por uma questão de conveniência. Era o que havia à mão para fazer uma sopa rápida para o jantar, antes que viesse uma daquelas vontades de me empanturrar de massas ou batatas à noite.
Tento que o meu jantar seja normalmente uma sopa, até porque janto bastante tarde. Mas confesso que a maioria das vezes fico um bocadinho desconsolada. Andei a pensar porque seria, uma vez que adoro sopa, sobretudo as da minha mãe, acho super reconfortante e não fico propriamente com fome. Cheguei à conclusão que o problema é o jantar acabar tão depressa. Fazem falta o ritual e o tempo dedicado a isso. Conclui também que isso acontece sobretudo quando já tenho sopa feita. Se tiver de a fazer, e principalmente se fizer uma sopa mais fora do comum, a experimentar novas combinações, deixo de sentir esse desconsolo!
Esta sopa, além de reconfortante, sabe mesmo a primavera! Claro que não é coisa para se fazer a toda a hora, que os espargos são demasiado caros para isso. Mas, vou começar a fazê-la pelo menos uma vez por ano, no tempo das ervilhas!

IMG_1179

  • 1 molho de espargos verdes (cerca de 330g)
  • • 1 batata média
  • • 1 alho-francês pequeno (ou ½ se for grande)
  • • 2 mãos cheias de de ervilhas de vagem
  • • 800 ml de água a ferver
  • • 1 fio de azeite
  • • 1 pitada de sal

IMG_1184

  1. Corte o alho francês em rodelas e, numa pequena panela, leve-o ao lume num fio de azeite até amolecer. (bimby, 4’, 100º, vel. 1,).
  2. Prepare os espargos, dispensado a parte do fundo mais dura da base. Corte em pedaços e reserve os topos.
    3. Descasque e corte a batata em pedaços.
  3.  Junte os espargos e a batata na panela, junte a água, tempere com sal e deixe cozinhar durante 15 minutos. (bimby, 15´, 100º, vel 4).
  4. Entretanto prepare as ervilhas: corte-lhes as pontas e e puxe os filamentos e corte-as em pedaços de cerca de dois centímetros .
  5. Passe tudo com a varinha mágica, ou no liquidificador, até ficar um creme homogéneo (bimby, 1´, vel- 7-10).
  6.  Junte as ervilhas e as pontas dos espargos reservadas ao creme e deixe cozer 4 minutos (bimby, 4´, vel 2, inv).

IMG_1180