Mousse de Abacate e Cacau

Eu sei que a esta altura, não há blog de receitas que se preze que ainda não tenha partilhado uma mousse de abacate e cacau. Já venho um bocado atrasada… Mas esta manhã estive a fazer manteiga de avelã e já que tinha a bimba suja, aproveitei para fazer um docinho para mais logo. Agora que partilho esta receita já posso dizer que tenho um blog de receitas que se preza.
Há inúmeras versões deste tipo de mousse. A base em todas é o abacate – é importante que esteja maduro. O resto dos ingredientes vai variando. Há com cacau em pó ou com chocolate derretido, com ou sem banana, com ou sem leite, com ou sem óleo de coco… Os adoçantes também podem ser gosto: ácer, stevia, agave, tâmaras…
Depois de provarem qualquer uma destas versões, todas elas bem saudáveis (os benefícios do abacate são já bem conhecidos), não vejo razão para se voltarem à tradicional! Além de tudo, o que para mim é uma grande vantagem, resultam numa quantidade perfeita para uma sobremesa para duas pessoas. E temos uma deliciosa e saudável sobremesa vegan, quase instantânea!
Pode servir esta mousse simples ou com granola ou frutos secos para uma textura crocante!

IMG_0923

  • 1 Abacate maduro
  • 1 Banana madura
  • 4 Tâmaras medjool
  • 2 C. de sopa de cacau puro
  • 1 C. de sopa de manteiga de avelã (opcional)

IMG_0920

  1. Comece por demolhar as tâmaras, sobretudo se estiverem um pouco secas, durante uns dez minutos ou mais.
  2. Num processador, coloque as tâmaras e desfaça-as, durante uns segundos.
  3. Junte os restantes ingredientes e processe até estar bem cremoso e homogéneo.

Pode comer logo em seguida, mas fica melhor se levar umas horas ao frigorífico.

IMG_0919

Tiramisù de Avelã

Dos seis meses que vivi em Itália (já lá vão 14 anos) trouxe comigo amigos para sempre, muitas lembranças e fotografias de gente muito doida e de passeios divertidíssimos, o hábito de comer curgetes e beringelas e um caderninho de receitas onde ia escrevendo as coisas novas que aprendia e que provava.

Uma dessas receitas e que nunca mais precisei de ler foi a do tiramisù que adoçou muitas bocas dos meus amigos e familiares ao longo de muitos anos. Por isso, quando encontrei esta receita de tiramisù vegan não descansei enquanto não a fiz, mesmo sabendo que o sabor não seria nem parecido – os únicos ingredientes em comum com a receita original são o açúcar, o café e o cacau. Mas isso é o suficiente para sabermos que estamos a comer tiramisu. Isso e a textura dos biscoitos (neste caso as tostas) molhados em café do creme bem macio. A presença das tostas foi uma surpresa tal que até confirmei com a autora da receita, não fosse eu estar a traduzir mal…

Da primeira vez que fiz esta sobremesa as tostas não ficaram bem molhadas no café – big mistake! Depois voltei a fazer de novo, corrigi esse erro e dividi o creme para experimentar também uma versão com bolachas digestivas em vez das tostas. Fica mais doce e um pouco mais seco. Eu preferi com tostas mas o das bolachas também teve adeptos.

O creme de avelã é mesmo delicioso. Tenho muitos planos para ele!

receita original aqui

IMG_3963

  • 200g de avelãs tostadas
  • 600g de leite vegetal (uso de soja natural provamel)
  • 130g de açúcar (reduzir se usar um leite já açucarado)
  • 20g de fécula de batata
  • 1 c. de chá de agar agar demolhada num pouquinho de água
  • Tostas integrais ou bolachas tipo digestivas
  • Café (açucarado)
  • Cacau puro

IMG_3964

Num processador triture as avelãs com o açúcar (bimby: 1minuto, vel 10).

Junte 200g de leite e triture novamente até fazer um creme (bimby: 1 minuto, vel 10).

Transfira para um tacho, junte os restantes ingredientes e mexa muito bem com uma vara de arames (caso use bimby, não precisa de transferir, junte os restantes ingredientes no copo).

Leve ao lume e e quando levantar fervura, deixe cozer cerca de 10 minutos em lume brando, mexendo sempre com a vara de arames (bimby: 8 min, 90°, vel 4 ).

Desligue e deixe arrefecer até ficar morno.

Para a montagem do tiramisù:

Coloque uma pequena quantidade de creme no fundo de uma assadeira.

Molhe as tostas no café (molhe bem porque, ao contrário dos biscoitos savoiardi, as tostas não absorverem muito o café).

Coloque por cima das tostas uma boa camada de creme.

Alterne as camadas, finalizando com o creme.

Polvilhe com cacau e deixe repousar algumas horas no frigorífico (fica melhor no dia seguinte).IMG_3958 IMG_3960

bolonhesa de avelãs

Eu sei que é esquisito. Eu própria não estava muito convencida… Mas podem confiar, é bom e não sabe a bolos nem nada do género!
Esta é daquelas receitas “tenho mesmo de experimentar” mas mais por curiosidade do que por achar que seria mesmo bom. Mas é. Aliás, dada a quantidade de avelãs que ainda tenho e contando que o próximo ano será idêntico, parece-me que este passará a ser um clássico cá em casa, principalmente para almoços de família e jantares de amigos!
Não é nada trabalhoso (especialmente para quem compre as avelãs já sem casca) mas é um pouquinho demorado. A bolonhesa – ragu, como chamam os italianos – deve sempre demorar um bocadinho (ou muito) para que o molho fique bem apurado. Por isso é que as mammas e as nonnas têm essa imagem de marca, sempre a mexerem o tacho do ragu. É que podem levar horas nisso! Nesta isso é particularmente importante. O sabor depois de uma hora ao lume, é muito melhor do que aos vinte minutos! Mas aqui não são precisas várias horas, basta uma!
A receita original, indicava cogumelos porcini. Como não tinha nem encontrei nos supermercados aqui perto, usei uns cogumelos brancos que tinha em casa. Se ficou bom assim, imagino com os porcini que são muito mais saborosos!
Adaptada do blog Al Cibo Commestible.

IMG_0003

200g de avelãs tostadas (tostar no 20 minutos a 150º)

1 cebola roxa

1 alho francês

2 cenouras

500ml de polpa de tomate

2 chávenas de água

3 cogumelos brancos, grandes

1 fio de azeite

1 pitada de sal

2 raminhos de alecrim (picados)

IMG_0005

  1. Num processador, moa as avelãs até ficarem um granulado (bimby: 2 golpes de turbo)
  2. Aproveite o processador para picar a cebola, as cenouras, o alho francês e os cogumelos.
  3. Num tacho, aqueça um fio de azeite, junte as verduras e deixe refogar alguns minutos até amolecerem.
  4. Junte as avelãs moídas, a polpa de tomate, a água, o sal e o alecrim picado.
  5. Envolva bem e deixe cozinhar em lume muito brando, cerca de uma hora, com o tacho tapado (bimby: 60’, 100º, vel. colher, inv.).
  6. Mexa o tacho constantemente, para não deixar agarrar no fundo.

IMG_3953

Manteiga de avelãs

As avelãs são uma das coisas boas que traz o fim do Verão – há que ver o lado bom de todas as coisas! As oleaginosas, como as avelãs, são preciosas na dieta vegan, já que são ricas em proteínas, ferro e boas gorduras. De todos os frutos secos, as avelãs são as minhas preferidas e ainda bem, porque são também as que mais abundam por aqui! Desde que descobri esta receitinha, apanhar avelãs ganhou ainda mais sentido e tornou-se quase numa missão!

Esta pasta pode ser feita com qualquer oleaginosa (nozes, amêndoas…) uma vez que o princípio é sempre o mesmo: ao serem moídas, os óleos vão-se soltando, ganhando uma consistência semelhante à da margarina. Além de ser uma forma muito saborosa de consumir mais frutos secos, é também uma alternativa, infinitamente mais saudável, às manteigas e margarinas comuns e mesmo às compotas e geleias para barrar o pão.

Confesso que a primeira vez que tentei fazer manteiga de avelã, no meu antigo robot, não consegui fazer com que passasse da fase de areia… Não sei bem porquê já que, ao que parece, não é preciso ter um processador xpto… Entretanto uma amiga fez-me a pasta na Yammi. Não sei bem quanto tempo demorou, mas ficou perfeita. Agora faço na Bimby e é num instante. Aliás, se quiser só moer as avelãs para ficar em areia, deve ter cuidado porque rapidamente começam a soltar o óleo nestas máquinas.

A parte mais chata do processo é mesmo britar as avelãs… Felizmente tenho quem o faça por mim, durante os jogos do Benfica!

  • 200g de avelãs sem casca
  • Uma pitada de sal marinho

IMG_1873

  1. Coloque as avelãs espalhadas num tabuleiro e leve ao forno pré-aquecido a 170º, cerca de 20 minutos
  2. Transfira as avelãs para um pano de cozinha limpo.
  3. Dobre o pano e esfregue as avelãs durante cerca de um a dois minutos para soltar as peles. A grande maioria das peles deve sair assim. As mais teimosas podem ser raspadas com a ajuda de uma colherzinha de café.
  4. Transfira as avelãs peladas para o processador
  5. Moa as avelãs até ficarem com a consistência de uma pasta meio líquida. O tempo pode variar dependendo do processador que usar (Bimby: 2 minutos vel. 4 e progressivamente até 7 + 10 segundos vel. 10). Vá parando para empurrar o que se vai colando nas paredes do copo.
  6. Transfira para um frasco esterilizado e guarde no frigorífico

Nota: Para esterilizar os frascos, ferva-os em água durante cerca de 15 minutos.IMG_1865